Amena Cavacada

Li algures que hoje o Presidente da República Portuguesa vai falar ao país. Olhando para o histórico do senhor, nada nos garante que venha a falar sobre o que se passa na politica portuguesa. Ja falou sobre os Açores quando se pensava que ia falar sobre uma crise politica (deixando o pais em suspense durante 2 dias), já reuniu o Conselho de Estado para falar sobre o pós-Troika quando o governo já dava sinais de estar nas lonas, no discurso de inicio de segundo mandato falou sobre o governo e nos doi-doi que lhe tinham feito, já para não falar sobre  último discurso do 25 de Abril, que eu tive o grato prazer de não ouvir. Podia continuar…

A única coisa que eu gostaria que ele explicasse, logo à noite, é porque razão é preciso uma semana para resolver a remodelação do governo?  O resto não precisa de dizer. Já todos sabemos.

Redução do número de deputados

A proposta, recuperada por António José Seguro, merece ser discutida e analisada, apesar de que isolada tem pouco efeito na nossa democracia. O que importa, em primeiro lugar, é trabalhar para melhorar a nossa democracia. Reduzir o número de deputados pode não ser, não é, prioritário.

Por exemplo, se contabilizarmos cargos politicos de não eleitos iremos ter números bem assustadores, mas que ninguem quer saber deles, não se lembra de contar nem pergunta “quantos são?! quantos são!?”

De qualquer modo, dentro do PS já se levantaram vozes contra. Curiosamente as criticas, de hoje, chegam de 3 deputados que para além da vida politica não lhe são conhecidas quaiquer outras tarefas ou trabalhos e têm todos menos de 40 anos.

Cantiga de amigo (não cumprindo qualquer regra)

Pedisteis-me uma cantiga de amigo

e sem dificuldades consegui lavrá-la

porque sois uma donzela oestina

de quem muito se ouve e fala

Nasceste num certo sitio

bem perto da praia da nazaré

uma das praias mais belas,

mas longe para se ir a pé

Espalhastes o teu perfume

pelas areias da praia inquieta

que o vento rabino remexe e

leva para parte incerta

As palavras às vezes são curtas

para estender tudo o que penso

Dom Dinis que era rei e poeta

a isso era mais propenso

É hora de partir, porque deus por cá mandar

envio daqui uma grande saudação para a donzela

do nosso 1º andar

Esperança!

“Esperança”

Em certa aldeia de Portugal,

nos confins de uma serra sem nome

morava a menina esperança
filha duma mlher coxa e de incerto óme.

 

Era a mais brava e a mais forte,

mas também era sensivel e dócil

tanto trabalha dia a fio com as cabras

como recitava poemas de alexandre o’neil

 

Certo dia partiu para longe,

sem destino, nem data de retorno

diz-se que foi vista para os lados de torres

mas do boato não se conhece o dono

 

Na aldeia todos sentem saudades dela

e dos seus momentos loucos de alegria

numa mais houve qualquer festa na serra

haverá se a esperança voltar um dia.

O canudo do Relvas

Como o povo costuma dizer: “Estão-nos a ir à bilha”, mas, eu diria, o canudo do Relvas é o menos grosso de tudo o resto

Só me apetece dizer asneiras….

Hoje três noticias provocaram-me um aumento da tensão arterial…

Défice do primeiro trimestre atinge 7,9%

Fisco perdoa luvas dos submarinos

Estado assume créditos que o BPN deu a Duarte Lima e Vítor Baía

E a responsabilidade directa ou indirecta é do mesmo ministério.

 

Empregado vs Empregador

Imagina que tens uma empresa…

que andavas à procura de pessoas através de entrevistas…

conseguias convencer-te através da entrevista que eras a pessoa desejada?

Se fosses contratado serias a pessoa indicada?

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.